6 coisas da minha infância que sinto saudades | Crack com Lasanha

6 coisas da minha infância que sinto saudades

Na categoria: Artigos ás 14:00

Todo mundo já foi criança um dia, apesar de alguns velhos aparentarem nunca terem sido, a verdade é que um dia eles também já passaram catarro na camisa e choraram para a mamãe comprar um babaloo quando a acompanhou até o mercadinho. Tem coisas de quando eu era criança que nem gosto de lembrar, como apanhar de “Espada de São Jorge” ou com a borracha da geladeira (não sou um juvenil criado a leite com pera). Porém tem outras coisas que sinto muita falta, por isso as organizei aqui para recordar com vocês, meus ociosos e lúdicos leitores.

 

BRINCAR NO BARRO

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Toda boa criança que se prese um dia já brincou com barro, até seria possível ir matar essa saudade, mas não faço isso por dois motivos. Primeiro motivo: Seria muito estranho geral passando na rua e me vendo brincando com barro como uma criança, no minimo achariam que estou me escondendo do Predador, ou que enlouqueci de vez. Segundo motivo: hoje sou eu quem lavo minhas roupas.

JOGAR FLIPERAMA

EspacialBC-1990_zps3127b09d

Fliperama a dez centavos, não tinha coisa melhor na vida do que pegar aquelas moedinhas do troco do pão e ir jogar com a galera, no The King Of Fihgter cada amigo escolhia um personagem e a gente perdia no primeiro trio, porque o dono do fliperama deixava a maquina no HARD só para a gente perder logo e comprar mais fichas, era uma maravilha! Bom mesmo era ganhar dos rivais e triste era quando eles desligavam a maquina porque perdiam, e de quebra ainda me davam uns cascudos para eu deixar de ser “apelão”.

CARRINHO DE ROLIMÃ

carrinho-de-rolima

Quem nunca desceu uma rua de carrinho de rolimã não sabe o que é viver perigosamente. Isso aqui era pura adrenalina, quem já andou sabe do que estou falando. Minha mãe nunca deixou eu ter um porque dizia que era perigoso e que eu poderia me machucar, engraçado que quando usava a ESPADA DE SÃO JORGE pra me castigar ela não pensava que poderia esta me machucando, né mãe?! Mesmo assim eu andava com os carrinhos dos meus amigos, afinal, ela disse que eu não poderia ter um carrinho e andar nele, mas não disse nada sobre o carrinho dos meus amigos.

COMER AMORA

DSC02494_1600x1200

Ta legal, eu poderia ir no mercado e comprar algumas amoras para comer, mas na minha infância eu subia no pé de amora e comia elas na hora. Véi, não importa o quão boa seja a amora do super mercado, nada é mais “FODA” do que comer amora em cima do pé de amora. A não ser comer amora enquanto desce do pé de amora em um carrinho de rolimã, isso sim seria bem mais foda.

PASSEIO DE ESCOLA

toyrus

Passeios de escola sempre eram divertidos, mesmo quando eram para lugares chatos como o MUSEU ou outra coisa do tipo, isso porque a gente ficava tocando o terror no ônibus, cantávamos musicas zoando o motorista, os amigos e as vezes até os professores. Mas o melhor de tudo no passeio era xingar um desconhecido aleatoriamente na rua, que maravilhoso era dar um tchau amigável, sorrindo para alguém e quando a pessoa retribuísse simplesmente sem mais nem menos mostrar o dedo do meio e a xingar só para ver a expressão do seu rosto mudando como um “magic tazo”.

APERTAR A CAMPAINHA E SAIR COREENDO

1e273c89cb66048d3cab0b445fd2d4b2a787767a

Se um dia você estava em sua casa de boa e foi atender sua campainha que acabou de tocar, e chegando lá não havia ninguém para você atender, não se assuste, isso não é obra de espíritos zombeteiro ou de um mágico serelepe, mas sim de uma criança muito da FDP que resolveu se divertir fazendo você pausar seu NETFLIX para te trollar. Mas disso eu nem tenho tanta saudade assim, porque tenho pernas curtas e não corria tanto quanto os meus amigos.

SE VOCÊ TEM SAUDADE DE ALGUMA COISA DA SUA INFÂNCIA QUE EU NÃO CITEI NESTA LISTA, DEIXE SEU COMENTÁRIO AÍ EM BAIXO!

Juliano Bezerra
comentários
Deixe um comentário
Os comentários do blog, são via Facebook. Para comentar você tem que estar logado lá!
Lembre-se que comentário é de inteira responsabilidade do autor.